A Whey Protein possui um importante componente biológico chamado lactoferrina que possui propriedades de defesa para o sistema imunológico do corpo.

Os avanços na tecnologia de separação já tornou possível isolar a lactoferrina a partir do soro do leite e está sendo implantada em alimentos funcionais, bebidas, suplementos alimentares, fórmulas infantis e alimentos para animais, por ser um dos aliados mais efetivos do sistema imunológico.

A lactoferrina também está presente nas secreções corporais, lágrimas, muco, saliva, sangue e e liga-se facilmente com o ferro. Mas ela ocorre em níveis muito mais elevados de concentração no leite materno humano.

Concentrações muito elevadas de lactoferrina são encontradas no colostro (o primeiro leite produzido pela mãe através da amamentação) e este é reconhecido como o alimento ideal para os bebês e o mecanismo perfeito através do qual a imunidade pode ser transferida da mãe para o filho.

A lactoferrina, uma vez que se liga facilmente ao ferro, melhora a absorção de ferro pelo organismo (biodisponibilidade do ferro) e assim ajuda a prevenir a deficiência de ferro e anemia, que são distúrbios nutricionais que afetam cerca de 20 por cento da população do mundo.

Na ligação com o ferro, combate bactérias nocivas e inibe as suas chances de sobreviver e se multiplicar. Além desta propriedade antibiótico, a ligação com o ferro reduz a possibilidade de formação de radicais livres e por isso ajuda a impedir o dano celular que faz parte do processo de envelhecimento.

Acredita-se que a Lactoferrina também suprime o crescimento de tumores e pode em breve se tornar parte integrante no tratamento alternativo contra vários tipos de câncer, principalmente câncer de pâncreas.

Bactérias benéficas

Os estudos também revelam o efeito benéfico de lactoferrina na saúde do intestino.

Esta proteína ajuda a manter níveis adequados de bactérias benéficas, como bifidus no trato intestinal e assim evita inflamações gastrointestinais. A lactoferrina também ajuda a prevenir as infecções virais, tais como HIV e herpes, e doenças provocadas pela actividade fúngica e de levedura.

A Lactoferrina não atinge tipos específicos de bactérias. Esta natureza inespecífica provou ser uma benção disfarçada (Muitos antibióticos foram concebidos para conter uma bactéria específica. Podem tornar-se menos eficaz ao longo do tempo, porque as bactérias são capazes de desenvolver estirpes que são resistentes ao antibiótico. Este não é o caso da lactoferrina).

Um número crescente de empresas convencidas destas propriedades de promoção da saúde, estão estudando o potencial de comercialização de lactoferrina. Quando posicionada como um suplemento para a saúde, este ingrediente é vendido sob a forma de comprimidos, cápsulas ou pós.

Alguns dados expressivos sobre a Lactoferrina:

In the United States, the Food and Drug Administration (FDA) granted the generally recognised as safe (GRAS) status to DMV International’s milk-derived lactoferrin, in August 2001.

In the EU, the Dairy Hygiene Directive 92/46 forms the basis for using bovine lactoferrin in foods.

In Japan, the most advanced market for functional foods, the Ministry of Health and Welfare’s announcement No. 160, on August 10, 1995, allowed lactoferrin concentrates in food.

In addition, biotechnology organisations such as Applied Phytologics and Japan Agricultural Cooperatives are exploring the plant molecular farming potential of lactoferrin through rice crops.

Não há dúvida de que a lactoferrina é uma grande aliada no tratamento natural não tóxico em uma variedade de doenças humanas.

A Whey Protein, apesar de conter uma quantidade muito inferior de lactoferrina comparada ao leite materno (que contem até 15% de lactoferrina) tem esse componente em sua constituição, o que o torna mais um aliado dentre todos os outros benefícios já apresentados.

Conheça os componentes biológicos encontrados no Whey Protein

As frações, ou peptídeos do soro, são constituídos de:

  • Beta-lactoglobulina (BLG): o mais abundante componente do Whey Protein. Corresponde a 50 a 55% do produto.;
  • Alfa-lactoalbumina (ALA): o segundo componente mais abundante no Whey Protein. Corresponde a aproximadamente 20 a 25%. ;
  • Albumina do soro bovino (BSA): corresponde a aproximadamente 5 a 10% do Whey Protein.;
  • Imunoglobulinas (Ig’s): corresponde a aproximadamente 10 a 15% do Whey Protein.;
  • Lactoferrina: corresponde a aproximadamente 1 a 2% do Whey Protein;
  • Glicomacropeptídeos (GMP): são peptídeos hidrofílicos formados por uma cadeia de 64 aminoácidos, ele estimula o pâncreas a liberar o hormônio colecistoquinina (CCK), hormônio que induz à saciedade. É a maior fonte de BCAA (20%).

Essas frações podem variar em tamanho, peso molecular e função, fornecendo às proteínas do soro características especiais.

 

Publicações Recentes